29 de maio de 2017

Observatório

Ruíram paredes ao meu redor
Luzes se apagaram
E me encontrei

 Tao despretensioso
E relevante
Um observatório permanente.
Fragmentos  de telhas quebradas
Deixam  a água inundar meus pensamentos

Esqueça os trampolins para mudar as fases
Coisas que ficaram para trás
Beijos roubados , amores perdidos
Encontros de elevador
Monólogos num porão gelado.
Talvez , as chances do acaso,
Aconteçam tão de perto
Como o espaço mágico de um  abraço .



Uma loucura de Cordel


Vou lhes contar uma história
Prometo que é verdadeira
Uma pessoa que sofria
De tormento a vida inteira
Não sabia o que fazer
Pra fugir dessa doideira

Ela tinha muitos sonhos
Mas nem sempre os entendia
A maioria das pessoas
Nunca a compreendia
Ela apenas precisava
De poesia no seu dia

Que loucura meus amigos
Que nos enche de clareza
Toda atenção que alguém lhe dava
Trazia uma certeza
O inconsciente  floresce
E da pintura vem  leveza

Podia cantar e encantar
Dançar e espalhar brilhos
Tinha em si todas as cores
os compassos e os estribilhos
Todos os sons desse mundo
lhe colocavam sobre os trilhos

É a arte que nos salva
forte, vibrante e pura
inclui a gente e lava a alma
tamanha envergadura
um caminhar confiante
Dissonante de qualquer loucura

Carmen Eugenio




O Mundo é seguro.

Talvez essa seja a principal competência e desafio:  olhar o mundo com afeto,  respeito, compaixão ,  suavidade.   Somente dessa fo...