18 de janeiro de 2012

PROCURE SEMPRE UM SEGUNDO DIAGNÓSTICO


Durante três anos, acreditei estar com ‘Neuroma de Morton’, uma patologia que ocasiona muita dor na planta dos pés. Geralmente, causada por uso freqüente de sapatos com saltos altos. E durante onze anos, eu trabalhei, todos os dias, com sapatos de saltos altos.
Em viagens, eu sofria muito, pois ando muito à pé para conhecer os pontos turísticos. Aliás, eu adoro viajar para conhecer lugares, culturas diversas e não para ficar dentro de hotel.
 O médico solicitou que eu fizesse um ultrassom e através desse exame, ele me informou esse diagnóstico.
Eu perguntei se havia tratamento ou em último caso, cirurgia para o meu caso. O médico me respondeu que a cirurgia nesse caso não era satisfatória, pois o problema costumava voltar. O que existem são soluções paliativas como uso de medicamentos, fisioterapia e acupuntura.
Fiquei triste por ter que conviver para sempre com esse problema.
No final do ano passado, fui a outro médico (ortopedista) pois estava com muita dor, não conseguia pisar direito e mancava.
Eu levei o antigo exame e informei que, o outro médico dera o diagnóstico de Neuroma de Morton.
O médico examinou meu pé e perguntou se meus dedos estavam ‘formigando’, com sensação de dormência.
Eu disse que não. Isso nunca havia acontecido. Eu sentia apenas dor.
Então ele me disse: você não tem Neuroma de Morton.  Mesmo assim, vou solicitar uma ressonância para ter certeza.
Fiz a ressonância magnética e realmente, o médico comprovou que era uma inflamação e tinha tratamento.
Nossa, que felicidade eu senti.
Me senti livre... Afinal eu tinha, sim, um problema, mas um problema com solução. Pensei, quanto tempo perdi, achando que não tinha jeito.
Afinal, descobri que não sofria de um mal crônico!
Fiz o tratamento que ele prescreveu e sinto-me muito melhor. Mas principalmente, ficou a lição:
nunca, jamais, confie somente em um diagnóstico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é valioso para mim.
Muito obrigada!

Invisível

Você está ali. Todos os dias, você está ali. Você faz o que tem que ser feito. Você apoia, você está presente. Mas o outro não t...