E a Luz?


De vez em quando
Sem entender direito
A luz incandescente
Desaparece
Não sei por que,
Não sei como,
...prá onde vai?
Fico a procurar
Não quero que desapareça
Não me abandone ao breu
desse interstício
Ao suprimir clarão
Outorgaria chaga ao meu coração.
Pois eu,
Despojada de postura estóica
Por demorada ausência
Encontro-me em inospita abstinência
Involuntária, certamente
Da simbiose que me abraça
Docemente.

Comentários

  1. Gostei! Parabéns poetisa!
    Bjuss!
    Robério Matos

    ResponderExcluir
  2. Muito Obrigada Roberio!!! Primeira pessoa que me chama assim! Beijos!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seu comentário é valioso para mim.
Muito obrigada!

Postagens mais visitadas