11 de agosto de 2010

LONGE DE CASA

Se você sentir em algum momento,
saudade de alguém,
ou de algum lugar...
e se junto com essa saudade
vier uma vontade de extravasar,
dasatar um nó na garganta...
É sinal que toda aquela convivência não foi em vão.

Você doou muito de si.
E deixou que contribuissem também.

Você não foi singular (apesar de ter lutado tantas vezes por isso).

Você aproximou-se e nem percebeu quando despencava uma manta tecida com carinho e ternura
que te esquentou e te protegeu por tanto tempo,
poupando-lhe o desprazer do frio que fazia lá fora.

Se no meio de uma cacofonia
(insensata e incoerente)
puder ouvir, nítido e pausado,
o que já lhe foi dito uma voz,
agora tão especial...

Se perdido entre tantos passos,
puder resgatar a sonoridade de algum.

Ou se você, simplesmente, lembrou de alguém ou de algum lugar,
que não quer e nem pode esquecer...

É porque você, talvez mesmo sem saber,
foi capaz de amar.

(Encontrei este poema ontem, mexendo nas minhas coisas. Escrevi aos dezessete anos de idade quando estive longe dos meus pais).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é valioso para mim.
Muito obrigada!

O Mundo é seguro.

Talvez essa seja a principal competência e desafio:  olhar o mundo com afeto,  respeito, compaixão ,  suavidade.   Somente dessa fo...