18 de maio de 2010

E FIM? ENFIM...

Engraçado como às vezes temos a nítida impressão de que erramos com alguém. Mas não sabemos como foi, onde, de que maneira que aconteceu...em que pedaço do caminho a gente se perdeu...se desconectou...
Só sentimos a cisão.
Que vontade de perguntar: onde foi que eu errei?
Mas, geralmente, ficamos sem resposta. Como se houvesse a obrigação de saber, como se estivesse implícita a responsabilidade da ciência do fato em si.
Eu não sei o que o outro pensa.
Eu não sei o que você pensa, enquanto você não me disser.
E porque a maioria das pessoas acredita que temos a obrigação de traduzí-las, só porque a amamos ou porque gostamos delas mais do que o normal?
Eu sou apenas um ser humano tentando acertar e ser feliz. Nada mais.
Tenho quase certeza de que muitas vezes a beleza, o dinheiro, a fama e o poder não significam,necessariamente, felicidade.
Esta, geralmente, está acompanhada de equilíbrio e inteligência emocional.
Gostaria, ao menos, de ter a chance de me explicar quando me sinto incompreendida.
Ou me achar, quando me sinto perdida.
E nem são poucas vezes assim...

2 comentários:

  1. estranho mesmo é saber que não é uma impressão isolada, somente de nós mesmos...parece que todos a tem...e percebemos quando vez por outra alguem parece nos pedir perdão sem palavras, sem motivos e sem sabermos ao certo sobre o que...
    @zecalins1405

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pelas palavras! Nesses casos, eu acredito que a pessoa sente que algo esteja diferente, e que em algum momento ela agiu de forma diversa da de costume. Ás vezes também eu mudo minha forma de agir com alguém, e gostaria que a pessoa perguntasse porque, para eu ter a chance de esclarecer...

    ResponderExcluir

Seu comentário é valioso para mim.
Muito obrigada!

O Mundo é seguro.

Talvez essa seja a principal competência e desafio:  olhar o mundo com afeto,  respeito, compaixão ,  suavidade.   Somente dessa fo...