6 de março de 2010

Et Je Pleuré....

Ano passado, entre alguns casos bizarros (aqui no sentido de esquisito e estranho ) tive um aluno que, quando eu entrava em sala, ele entrava embaixo da minha mesa, ficava 'entocado' e nada o tirava dali. Fiz de tudo, encaminhei à coordenação, chamei o responsável, orei ao Pai, enfim... nada resolvia. O guri 'encorporou' um homem das cavernas, e eu que  não sou psicóloga, toquei o barco. Tem coisas na vida, que a gente consegue resolver e outras que a gente não consegue resolver. E prá essas últimas, a minha solução é em primeiro lugar, tentar compreendê-las, se for possível e necessário. Senão, ignorar. Mais simples e menos danoso à nossa saúde. Esqueça. Prá que achar que devemos saber, entender e ter o controle sobre tudo? 
O menino que gostava de se enconder embaixo da mesa foi reprovado e está cursando novamente o segundo ano.
Este ano, estamos lá, conhecendo o Traçado Gráfico através da régua...Notei no início do ano, que ele estava participando das aulas. Nem me empolguei...mas esse comportamento manteve-se linear.
Ontem, já no segundo mês de aula, ele estava dominando o uso da régua, entendendo a distância em centímetros, fazendo quadrados, composições, enfim trabalhando, produzindo, querendo aprender e, acreditem, auxiliando os que ainda estavam com dificuldades. Ele veio todo orgulhoso me mostrar o trabalho proposto concluído, e eu fiquei tão emocionada que não contive as lágrimas.
Eu estava diante de uma criança que,  finalmente,  evoluía dentro do processo de ensino-apredizagem, apesar de todo o contexto de dificuldade familiar, socio-econômico em que se encontra. O Ensino e a Arte, estavam vencendo todos as dificuldades psico-educacionais daquela criança.
Eu ouvi sua mãe, várias vezes, me contando sobre a dificuldade em criar seus filhos sozinha, em razão do pai ser criminoso e estar em um presídio.
Mas ontem, aquele menino que se escondia embaixo da mesa, sorriu e eu fui testemunha de sua felicidade em superar os próprios limites! Essa emoção, me fez chorar...
Frida Kalo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é valioso para mim.
Muito obrigada!

Invisível

Você está ali. Todos os dias, você está ali. Você faz o que tem que ser feito. Você apoia, você está presente. Mas o outro não t...